Home  / Notícias   /  

Notícias

24 de dezembro de 2020

Coluna SESCAP-LDR na Folha de Londrina: "Disparada do IGP-M exige atenção ao planejamento financeiro para 2021"

O SESCAP-LDR chama a atenção para o aumento disparado do Índice Geral de Preço do Mercado (IGP-M) e o impacto financeiro que isso pode causar, principalmente no orçamento familiar das pessoas com salários menores.

O IGP-M é um indicador econômico que acompanha as variações de preços e mensura a inflação e a atividade econômica do país, calculado mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) a partir de três índices que recebem diferentes pesos, sendo: 60% - índice de preço ao produtor amplo (IPA); 30% - Índice de Preços ao Consumidor (IPC); 10% Índice Nacional de Custo da Construção (INCC). “Observamos que o maior impacto no IGP-M é decorrente da variação do IPA, que representa o índice da indústria, o que demonstra um aumento considerável neste setor primário, por conseguinte, tende a ser repassado ao varejo e ao consumidor”, explica o empresário contábil e diretor do SESCAP-LDR, Marlon Marçal.

Vários tipos de contrato preveem o ajuste anual e, para tanto, utilizam-se do IGP-M para a correção frequente de prestações, como: contratos de locação residencial ou comercial, planos de saúde, contratos com prestadores de serviços, pensões alimentícias, mensalidades escolares, tarifas públicas de água e energia, entre outros.

“Para as pessoas que trabalham assalariadas, o impacto tende a ser maior, especialmente para aquelas com salários menores, isso porque os índices de correção de salários não acompanharam a alta do IGP-M. Por exemplo, uma pessoa com um salário de R$1.500,00 que teve um reajuste salarial de 4%, viu sua renda aumentar R$ 60,00. Logo, se tem um aluguel para pagar no valor de R$ 700,00 com o reajuste do IGP-M de 23,52% o aluguel passará a ser R$ 864,64 e o reajuste será de R$ 164,64”, ressalta Marçal.

É notável que haverá uma redução no poder de compra de inúmeros brasileiros. Desta forma, o SESCAP-LDR orienta quem se encontra diante destas questões que refaça o planejamento financeiro para 2021 e, assim, evitar um aperto financeiro no fim do mês e ter surpresas desagradáveis.

No caso das empresas, o cenário é muito similar ao das pessoas físicas. É importante estar atentos aos contratos vinculados ao IGP-M e revisar a projeção orçamentária, projeção de reajuste de preços, ponto de equilíbrio, entre outros fatores.

“É preciso estar atento aos reflexos que IGP-M pode trazer para as despesas fixas mensais. Por isso, reveja seus contratos e planeje alternativas para equilibrar o orçamento familiar e empresarial”, indica o diretor do SESCAP-LDR.

 

Fonte: Jornal Folha de Londrina/Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações, Pesquisas e de Serviços Contábeis de Londrina e Região (Sescap-Ldr)