Notícias

Consultoria Contábil - Folha de Londrina
03 de fevereiro de 2017
Consultoria Contábil - Folha de Londrina
Quanto vale sua empresa?

Comprar ou vender uma empresa exige cuidado de ambas as partes envolvidas no processo. Erros no processo de avaliação podem permitir que maus negócios se concretizem. E ao invés de lucros, o que se pode esperar são ônus. A falta de entendimento referente à real situação da empresa e ao potencial do negócio são alguns dos erros graves apontados por especialistas em avaliação de empresas. 
Uma das dicas é conhecer profundamente e de forma racional a empresa. De acordo com o consultor do Sescap-Ldr e especialista em avaliação de empresas Moacir Vieira dos Santos esses pontos são determinantes para uma avaliação realista e ajudam evitar equívoco. "Um perigo é achar que apenas máquinas, instalações, imóveis ou outros ativos físicos têm peso alto no valor de uma empresa e esquecer que o principal valor está relacionado com a capacidade de gerar riquezas no futuro", ressalta o consultor. 
Diante do processo de descobrir o valor real de uma empresa a elaboração "Valuation" pode ser um grande aliado do empresário. 
Derivado do inglês, "Valuation" significa avaliação, e que em finanças é a mensuração econômica do valor de uma empresa ou projeto. Segundo Santos, o processo de "Valuation" é a definição de premissas matemáticas, estatísticas e métodos contábeis recomendados academicamente e validados pelo mercado, na qual englobam vários métodos de avaliação, desde os mais técnicos e complexos a outros mais aplicáveis ao estágio, porte e histórico da empresa. 
O método mais utilizado globalmente é o de Fluxo de Caixa Descontado (FCD) que traz o valor presente do fluxo de caixa projetado da empresa através de cenários, premissas e indicadores de mercado. "Não podemos deixar de citar as avaliações empíricas e de praxe de mercado que não têm fundamentação acadêmica, mas que são largamente utilizadas", explica o consultor. Ele acrescenta que utilizando o método FCD a empresa vale a geração de caixa projetada no futuro, trazendo este fluxo ao valor presente numa taxa média de custo de capital e adicionando o que se chama de perpetuidade ou valor terminal, que é fluxo de caixa no infinito, ou seja, é a geração de riqueza prevista da empresa no futuro mais o fluxo de caixa perpétuo. 
Nota-se que avaliar uma empresa é trabalho para quem realmente entende do assunto, como profissionais especializados em controladoria, finanças e contabilidade. Considerado peça fundamental no processo de "Valuation", o empresário contábil tem em mãos a maior parte das informações necessárias para avaliação, desde as demonstrações financeiras ao conhecimento profundo da empresa, gestão e seus processos. 
De acordo com o consultor, uma empresa adequada às normas de contabilidade com fundamentos sólidos, refletindo a sua realidade da empresa fará com que a Valuation seja mais justa do ponto de vista econômico e financeiro. Além disso, o suporte e assessoria do contador favorecem para que o empresário tome uma decisão assertiva e técnica. Ele pode e deve fazer o aconselhamento do ponto de vista contábil e fiscal, bem como indicar qual cenário ou modelo de avaliação é adequado ao negócio e se uma oportunidade é de fato benéfica ou prejudicial a empresa". 
Engana-se quem pensa que avaliação de empresa só deve ser feita no processo de compra e venda ou na entrada e saída de sócios. O recomendável é que se faça uma avaliação periodicamente para que de fato o empresário possa verificar se a empresa no decorrer do tempo está gerando valor ou o que precisa ser feito para que isto ocorra. 

Fonte: Jornal de Londrina/Sescap-Ldr