Notícias

CFC publica a NBC TA 540 (R2)
28 de outubro de 2019
CFC publica a NBC TA 540 (R2)

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC), em processo de convergência com as Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs) e os padrões internacionais da área, aprovou a NBC TA 540 (R2) – Auditoria de Estimativas Contábeis e Divulgações Relacionadas. O documento que trata das responsabilidades do auditor em relação às estimativas contábeis e às divulgações relacionadas na auditoria de demonstrações contábeis foi aprovado pela plenária do dia 17, e publicado no dia 23/10/2019.

A NBC TA 540 (R2) foi idealizada mediante o acordo firmado com a International Federation of Accountants (Ifac), que autorizou, no Brasil, o CFC e o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon) como tradutores de suas normas e publicações, outorgando os direitos de realizar tradução, publicação e distribuição das normas internacionais em formato eletrônico. Os principais objetivos do projeto para revisão da NBC TA 540 foram estabelecer requisitos mais robustos e orientações para promover a qualidade da auditoria, realizar procedimentos apropriados em relação às estimativas contábeis e divulgações relacionadas, além de enfatizar a importância da aplicação apropriada do ceticismo profissional ao auditar as estimativas contábeis.

Já questões de interesse público também foram abordadas pela revisão, como ter uma melhor comunicação e transparência na governança, além de que relatórios e regulamentação podem ser aprimorados por meio do diálogo de duas vias entre o auditor e os responsáveis ??pela governança sobre estimativas complexas e aquelas com alta incerteza de estimativa e fomentar um melhor exercício do ceticismo profissional - as constatações dos inspetores de auditoria levantaram preocupações significativas sobre a qualidade da auditoria para estimativas contábeis, e a necessidade de promover uma mentalidade cética mais independente e desafiadora nos auditores.

 

Principais aprimoramentos da NBC TA 540

 

Reconheceu explicitamente o espectro de risco inerente;

Introduziu o conceito de fatores de risco inerentes com enfoque na incerteza de estimativa, complexidade e subjetividade;

Procedimentos aprimorados de avaliação de risco relacionados à obtenção de entendimento da entidade e do seu ambiente:

Introduziu uma avaliação separada do risco inerente e do risco de controle para estimativas contábeis;

Enfatizou a importância das decisões do auditor sobre os controles de estimativas contábeis;

Introduziu requisitos de esforço de trabalho baseados em objetivos direcionados a métodos (modelagem complexa está envolvida), dados e suposições, para projetar e executar procedimentos adicionais de auditoria para responder aos riscos avaliados de distorção relevante;

Aprimorou a avaliação das evidências de auditoria a respeito das estimativas contábeis, incluindo tanto evidências de auditoria confirmatórias quanto contraditórias;

Requisitos aprimorados para confirmar se a evidência de auditoria são “razoáveis”;

Foi destacada a importância de testar controles em torno de estimativas contábeis complexas, particularmente para instituições financeiras;

Novo e aprimorado material de aplicação;

Esclareceu sobre fontes externas de informação, alterando a NBC TA 500.

 

 

Fonte: CFC - Conselho Federal de Contabilidade